Montadoras fecham fábricas e colocam cerca de 50 mil em férias coletivas


Fabricantes de veículos já anunciam que vão fechar as fábricas no fim do mês e não sabem exatamente quando vão retomar as atividades, pois isso vai depender da situação do País em relação à epidemia do novo coronavírus e da demanda do mercado. As três montadoras que já confirmaram férias coletivas empregam, juntas, quase 50 mil funcionários.

Além de paralisar a produção das suas cinco fábricas brasileiras (em São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina) por tempo indeterminado, a General Motors suspendeu o investimento de R$ 10 bilhões previstos para o período de 2020 a 2024. Segundo a empresa, é preciso reservar caixa para o momento de crise atual provocada pela disseminação da covid-19.

A filial da GM na Argentina também será fechada. Junto com as unidades do Brasil, onde as férias coletivas começarão no dia 30, elas empregam cerca de 19 mil trabalhadores. A empresa alega que a paralisação vai ocorrer por causa da demanda do mercado, mas o Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano do Sul, onde está a fábrica mais antiga do grupo, diz que o principal motivo é o coronavírus.

A Mercedes-Benz também vai suspender as operações das fábricas de São Paulo e Minas Gerais e do centro de distribuição e logística em Campinas (SP). A parada está inicialmente prevista entre os dias 25 de março e 20 de abril e envolve cerca de 10 mil pessoas.

A empresa alega necessidade de prevenção ao coronavírus e diz que o retorno ao trabalho vai depender da situação do País. Na segunda-feira, a Volkswagen também anunciou intenção de paralisar as operações de suas quatro fábricas em São Paulo e no Paraná, a partir do dia 31, mas inicialmente por apenas dez dias. A marca alemã emprega cerca de 15 mil pessoas no Brasil.

Demissões. Nos próximos dias, outras montadoras devem anunciar paradas. Já o Grupo Caoa Chery encerrou a produção de motores e demitiu ontem 59 empregados da unidade de Jacareí (SP), número que equivale a 10% da mão de obra local.

Segundo o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Guirá Borba, a empresa alega redução da produção, de 65 carros ao dia para 40. “Em um momento como esse, de proliferação do coronavírus, não há justificativa. A empresa tem de proteger os trabalhadores que, sem emprego, perdem o convênio médico”, critica o sindicalista. A empresa não comentou assunto.

Incentivo. O investimento de R$ 10 bilhões que a GM congelou foi resultado de uma longa negociação feita no ano passado com funcionários, concessionários, fornecedores e revendedores após o presidente da empresa na América do Sul, Carlos Zarlenga, afirmar que o grupo.

Fonte: http://www.fenabrave.org.br/portal/conteudo/view/14942

Fenabrave comenta impactos do coronavírus no setor da distribuição de veículos


A FENABRAVE – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, entidade que representa mais de 7.100 Concessionárias, por meio de 51 Associações de Marca, vem a público declarar que se solidariza com as vítimas da pandemia do Coronavírus, conhecido por COVID-19, e reforçar que está empenhada em colaborar para que a doença não se propague, em nosso País.

Para isso, essa Federação já encaminhou Comunicado, às Associações de Marca e suas Concessionárias filiadas, de todo o País, contendo Medidas Preventivas, orientadas pelo Ministério da Saúde, Autoridades Sanitárias e adaptadas à nossa realidade, de forma a garantir a saúde e a vida de todos os colaboradores e clientes do nosso Setor.

Sobre os impactos do COVID-19 no varejo automotivo, até o momento, a base de dados da FENABRAVE não aponta redução nos emplacamentos de veículos.

Hoje, os estoques das concessionárias encontram-se normalizados, com garantia de abastecimento entre 45 a 60 dias, para os segmentos em geral.

Caso haja falta de peças e componentes, para a produção industrial, é provável que tenhamos queda nos estoques das Redes, mas esperamos que a situação se normalize antes que faltem veículos nas Concessionárias.

A FENABRAVE manterá suas projeções, para o ano de 2020, até o próximo mês de abril, quando revisará suas expectativas de mercado e, certamente, teremos um cenário e panorama mais claros, sobre a crise provocada pelo COVID-19.

Fonte: http://www.fenabrave.org.br/portal/conteudo/view/14934