Consórcios fecham 2018 em alta e sinalizam crescimento para este ano


Com mais de R$ 106 bilhões em negócios, resultantes de aproximadamente 2,6 milhões de adesões, o Sistema de Consórcios contempla quase 1,2 milhão de consorciados e injeta mais de R$ 40 bilhões no setor produtivo

O ano de 2018 foi atípico, com situações que prejudicaram a economia do país, direta ou indiretamente. Da greve dos caminhoneiros até eventos como as eleições e a copa do mundo de futebol, houve momentos de fortes desacelerações das atividades. Contudo, demonstrando maturidade e consolidação, o Sistema de Consórcios registrou crescimento nos negócios que atingiram R$ 106,08 bilhões (2018), 4,6% acima dos R$ 101,47 bilhões anteriores (2017).
 

A entrada de novos consorciados somou 2,596 milhões (jan-dez/2018), 9,1% maior que os 2,379 milhões anotados um ano antes. Os setores de veículos leves e motocicletas responderam por mais de 1 milhão de adesões cada um. 
O destaque do Sistema em dezembro foi o total de 236 mil adesões, o terceiro melhor volume mensal do ano, resultante dos bons volumes auferidos em todos os setores: Veículos Leves, Veículos Pesados, Motocicletas, Imóveis, Serviços e Eletroeletrônicos e outros bens móveis duráveis.
 

Em retrospectiva, os dados mostram ainda que a somatória das vendas de novas cotas em 2018 foi recorde quando comparada com as de anos anteriores, a partir de 2014.


O tíquete médio do ano foi de R$ 40,9 mil, 4% inferiores aos R$ 42,6 mil anotados no final de 2017. Todavia, ao longo dos doze meses de 2018, ratificado pela crescente procura por créditos de valores maiores nos setores de veículos pesados e de imóveis, observou-se que o tíquete médio de dezembro, com R$ 41,4 mil, apontou alta de 7,5% sobre o de janeiro, quando era de R$ 38,5 mil.


Com 251 dias úteis decorridos em 2018, um a mais que o total trabalhado um ano antes, a média diária das adesões atingiu 10,36 mil, 8,8% mais que as 9,52 mil anteriores. Só nos 20 dias de dezembro último, quando foram comercializadas 11,8 mil cotas/dia, houve aumento de 21% sobre as 9,75 mil/dia em relação aos mesmos dias daquele mês de 2017.
 

De janeiro a dezembro de 2018, com avanços constantes mês após mês, o total de consorciados ativos alcançou 7,128 milhões no final do ano, 3,8% maiores que os 6,870 milhões de dezembro de 2017. 
 

O acumulado de contemplações de janeiro a dezembro atingiu a 1,196 milhão, isto é, 1,5% menor que as 1,214 milhão anteriores (jan-dez/2017). A retração decorreu do encerramento de grupos sem a correlação de igual abertura de novos, em virtude da crise econômica vivenciada recentemente. 


Com o crescimento dos negócios consorciais, o total mensal de contemplados anotou alta gradativa, apesar de alguns meses em baixa. A confirmação desse comportamento ficou evidenciada no período de dezembro de 2017 ao de 2018, especialmente a partir de abril. Nesses meses (abr-dez), o aumento foi de 2%.
 

Os créditos concedidos aos contemplados, cujo valor pode ter sido potencialmente injetado na cadeia produtiva onde o mecanismo está presente, registraram avanço de 1,3%: enquanto nos doze meses de 2017 o volume atingiu R$ 39,90 bilhões, no mesmo período de 2018 alcançou R$ 40,43 bilhões, confirmando a modalidade como significativo participante de desenvolvimento nas atividades setoriais.


"Com todas as dificuldades enfrentadas no ano passado, o Sistema de Consórcios mostrou que continua sendo a alternativa mais simples e econômica para muitos consumidores", explica Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da ABAC Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios. "O crescimento das adesões em cinco dos seis setores na qual a modalidade está presente, aliado a tíquetes médios de maior valor, confirmou o comportamento mais focado dos interessados no planejamento e no gerenciamento das finanças, de acordo com os conceitos básicos da educação financeira", complementa.

Os resultados alcançados pelo Sistema confirmam, ainda, sua importância para os diversos elos da cadeia produtiva, como no setor de motos, por exemplo, onde os créditos injetados pelas contemplações resultaram possivelmente em uma a cada duas unidades vendidas no mercado interno. Também na indústria automobilística, os veículos leves, que incluem automóveis, utilitários e camionetas, tiveram potencial presença em um a cada quatro autos comercializados no país. 

EXPECTATIVA PARA 2019: REPETIÇÃO DO CRESCIMENTO

A onda otimista, que vem se propagando em quase todos os setores da economia brasileira, deverá contagiar o mercado consumidor. Como o comportamento dos compradores sofre influências e alterações dia após dia, será necessário considerá-las admitindo-se novos tipos e oportunidades de compras.

Fatos como o recente declínio de endividamento das famílias, incluindo-se a queda do número de pessoas com dívidas em atraso, sinalizam mais consciência na gestão das finanças pessoais. Entretanto, face à autonomia e à possibilidade de direcionar ou redirecionar seus objetivos, é importante gerar novos tipos de facilidades para estimular a concretização dessas conquistas. 

"O Sistema de Consórcios, criado há mais de 55 anos, está cada vez mais atual e presente. Simples e com baixo custo, tem no planejamento o diferencial de sua estratégia de sucesso para aquisição de bens ou contratação de serviços, apoiando-se basicamente na essência da educação financeira", diz Rossi.

Se considerarmos também o cenário positivo do controle da inflação, divulgado pelo Banco Central, e o crescente Índice de Confiança do Consumidor, medido pela Fundação Getúlio Vargas - FGV, será possível projetar atitudes de consumo mais conscientes, ajustadas aos limites dos orçamentos mensais, pessoal ou familiar.
 

"Tudo parece contribuir para a retomada das atividades econômicas. Com os segmentos industrial, comercial e de serviços sinalizando recuperação e consequente diminuição de ociosidades, podemos vislumbrar que o Sistema de Consórcios, importante fator na realização de objetivos de forma planejada, terá maior procura", adianta o presidente executivo da ABAC. "Acreditamos que as perspectivas são bastante otimistas para o mecanismo, especialmente se repetirmos, no decorrer deste ano, os mesmos percentuais de crescimento registrados em 2018", finaliza.

RESUMO GERAL E SETORIAL DAS VENDAS DE NOVAS COTAS
JANEIRO A DEZEMBRO DE 2018 X 2017

Os indicadores setoriais e global das vendas de novas cotas, de janeiro a dezembro, anotaram avanços nas adesões do consumidor ao consórcio, tanto para aquisição de bens imóveis ou móveis duráveis como para contratação de serviços.

Os desempenhos em cada setor apontaram 1,159 milhão de novas cotas vendidas de veículos leves, 1,016 milhão de motocicletas, 271,25 mil de imóveis, 71,15 mil de veículos pesados, 49,70 mil de serviços e 29 mil de eletroeletrônicos e outros bens móveis duráveis, acumulando quase 2,60 milhões de adesões. Somente em dezembro, foi alcançado o terceiro maior volume mensal de vendas no ano: 236 mil novas cotas comercializadas, atrás apenas do de novembro, quando somou 249 mil [recorde], e do de setembro com 241,5 mil.

Estes resultados geraram crescimento em cinco dos seis setores: serviços (54,3%), eletroeletrônicos e outros bens móveis duráveis (34,9%), veículos pesados (24,5%), motocicletas (18,9%) e veículos leves (2,6%). O setor de imóveis apontou retração de 4,7%. Com as altas indicadas em veículos leves, veículos pesados e motos, o segmento de automotores apresentou crescimento de 10%.
 

RESUMO DO SISTEMA DE CONSÓRCIOS

NÚMEROS DO SISTEMA DE CONSÓRCIOS
ESTIMATIVAS SEGUNDO A ASSESSORIA ECONÔMICA DA ABAC 

DEZEMBRO: MAIS DE R$ 106 BILHÕES EM NEGÓCIOS COM QUASE 2,60 MILHÕES DE ADESÕES. APROXIMADAMENTE 1,2 MILHÃO DE CONTEMPLAÇÕES COM R$ 40 BILHÕES INJETADOS NO SETOR PRODUTIVO

Durante 2018, os negócios consorciais atingiram R$ 106,08 bilhões, registrando crescimento de 4,6% sobre os R$ 101,47 bilhões de 2017. 

A somatória de vendas alcançou 2,596 milhões, 9,1% maior que os 2,379 milhões contabilizadas um ano antes. Para esse total, os setores de Veículos Leves e Motocicletas participaram com mais de um milhão de cotas cada.

Nas vendas mensais, o volume de 236 mil adesões, em dezembro, foi o terceiro melhor do ano. 
  

O acumulado de contemplações de janeiro a dezembro atingiu a 1,196 milhão, isto é, 1,5% menor que as 1,214 milhão anteriores (jan-dez/2017). Os créditos concedidos aos contemplados anotaram alta de 1,3%, com volume de R$ 40,43 bilhões.
   

- PARTICIPANTES ATIVOS CONSOLIDADOS
(CONSORCIADOS EM GRUPOS EM ANDAMENTO)
  - 7,128 MILHÕES (DEZEMBRO/2018)
  - 6,870 MILHÕES (DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 3,8%

- VENDAS DE NOVAS COTAS (NOVOS CONSORCIADOS)
   - 2,596 MILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
   - 2,379 MILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
   CRESCIMENTO: 9,1%

- VOLUME DE CRÉDITOS COMERCIALIZADOS
 - R$ 106,08 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
 - R$ 101,47 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
   CRESCIMENTO: 4,6%

- TÍQUETE MÉDIO MENSAL (VALOR MÉDIO DA COTA NO MÊS)
  - R$ 41,4 MIL (DEZEMBRO/2018)
  - R$ 41,8 MIL (DEZEMBRO/2017)
  ESTÁVEL

- TÍQUETE MÉDIO ANUAL (VALOR MÉDIO DA COTA NO ANO)
  - R$ 40,9 MIL (2018)
  - R$ 42,6 MIL (2017)
  RETRAÇÃO: 4%

- CONTEMPLAÇÕES
   (CONSORCIADOS QUE TIVERAM A OPORTUNIDADE DE COMPRAR BENS)
-  R$ 1,196 MILHÃO (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
-  R$ 1,214 MILHÃO (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
   RETRAÇÃO: 1,5%

- VOLUME DE CRÉDITOS DISPONIBILIZADOS
 - R$ 40,43 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
 - R$ 39,90 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
 CRESCIMENTO: 1,3%

PATRIMÔNIO LÍQUIDO AJUSTADO E ATIVOS DOS CONSÓRCIOS  

ATIVOS ADMINISTRADOS*
- R$ 213 BILHÕES (JUNHO/2018)
- R$ 190 BILHÕES (JUNHO/2017)
CRESCIMENTO: 12,1%

PATRIMÔNIO LÍQUIDO AJUSTADO*
- R$ 13,12 BILHÕES (JUNHO/2018)
- R$ 10,48 BILHÕES (JUNHO/2017)
CRESCIMENTO: 25,2%

NEGÓCIOS REALIZADOS GERAM EMPREGOS
E ARRECADAÇÃO DE TRIBUTOS
 
TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES PAGOS*
 - R$ 1,41 BILHÃO (JANEIRO-JUNHO/2018)
 - R$ 1,34 BILHÃO (JANEIRO-JUNHO/2017)
 CRESCIMENTO: 5,2%

EMPREGOS GERADOS DIRETOS E INDIRETOS
   - MAIS DE 250 MIL**

Fontes: 
*  Banco Central do Brasil  
** ABAC

O SISTEMA DE CONSÓRCIOS DIVIDIDO POR SETORES 

VEÍCULOS AUTOMOTORES EM GERAL 
EM 2018, ADESÕES CRESCEM 10% COM NEGÓCIOS AUMENTANDO 9,5%

A boa performance das vendas ao longo de 2018 no setor de automotores, em seus três setores - Veículos Leves, Veículos Pesados e Motocicletas - propiciaram alta de 10% no acumulado de adesões e 9,5% nos correspondentes negócios realizados.

Paralelamente, mesmo com retração de 2,3%, a somatória das contemplações ultrapassou a marca 1 milhão, com créditos concedidos, potencialmente dirigidos ao setor automotivo, acima dos R$ 33 bilhões.

O total de consorciados ativos superou os seis milhões, com alta de 2,9%.
   

Nos indicadores de janeiro a dezembro, a soma dos créditos concedidos pelo consórcio na adição de valores disponibilizados por financiamento, leasing e consórcio de veículos automotores atingiu 20,8% do total de R$ 158,43 bilhões, com R$ 33,01 bilhões.

Ao verificarmos os dados divulgados pelo Banco Central, depois de avaliados pela assessoria econômica da ABAC, observamos uma retração de 3,5 pontos na comparação com o percentual atingido naquele mesmo período de 2017.

- PARTICIPANTES ATIVOS CONSOLIDADOS (CONSORCIADOS) 
  - 6,12 MILHÕES (DEZEMBRO/2018)
  - 5,95 MILHÕES (DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 2,9% 

- VENDAS DE NOVAS COTAS (NOVOS CONSORCIADOS)
   - 2,246 MILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
   - 2,041 MILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
   CRESCIMENTO: 10% 

- VOLUME DE CRÉDITOS COMERCIALIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
   - R$ 68,30 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
   - R$ 62,35 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
   CRESCIMENTO: 9,5% 
 
- CONTEMPLAÇÕES
   (CONSORCIADOS QUE TIVERAM POSSIBILIDADE DE COMPRAR BENS)
   - 1,093 MILHÃO (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
   - 1,119 MILHÃO (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
   RETRAÇÃO: 2,3% 
 
- VOLUME DE CRÉDITOS DISPONIBILIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
   - R$ 33,01 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
   - R$ 32,47 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
   CRESCIMENTO: 1,7% 

- PARTICIPAÇÃO DOS CONSÓRCIOS EM CRÉDITOS CONCEDIDOS
(PERCENTUAL DO TOTAL INCLUINDO FINANCIAMENTO*, LEASING* E CONSÓRCIO**)
  - 20,8% (JANEIRO-DEZEMBRO/2018) - R$ 33,01 BILHÕES SOBRE R$ 158,43 BILHÕES
  - 24,3% (JANEIRO-DEZEMBRO/2017) - R$ 32,47 BILHÕES SOBRE R$ 133,58 BILHÕES

Fontes: 
  *) Banco Central do Brasil  
**) ABAC

VEÍCULOS LEVES (AUTOMÓVEIS, CAMIONETAS, UTILITÁRIOS) 
VENDAS DE NOVAS COTAS E NEGÓCIOS AUMENTARAM 2,6% E 4,6% RESPECTIVAMENTE, EM 2018

De janeiro a dezembro de 2018, as vendas de novas cotas avançaram 2,6% com os negócios aumentando 4,6%, em relação aos mesmos meses do ano anterior. 

Os tíquetes médios, tanto em dezembro como o anual, registraram altas de 2,2% sobre os valores anotados nos mesmos períodos de 2017.

Os demais indicadores do setor [participantes ativos, contemplações e créditos concedidos] também apontaram aumentos.
   

Em 2018, a potencial participação das contemplações nas vendas do mercado interno foi de 26,1%. Este percentual correspondeu a pouco mais de um veículo leve a cada quatro vendidos internamente por meio da modalidade.

- PARTICIPANTES ATIVOS CONSOLIDADOS (CONSORCIADOS)
  - 3,635 MILHÕES (DEZEMBRO/2018)
  - 3,475 MILHÕES (DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 4,6% 

- VENDAS DE NOVAS COTAS (NOVOS CONSORCIADOS)
  - 1,1590 MILHÃO (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - 1,1296 MILHÃO (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 2,6% 

- VOLUME DE CRÉDITOS COMERCIALIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
  - R$ 48,84 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - R$ 46,54 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 4,9% 

- TÍQUETE MÉDIO DO MÊS (VALOR MÉDIO DA COTA NO MÊS)
  - R$ 42,7 MIL (DEZEMBRO/2018)
  - R$ 41,8 MIL (DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 2,2%

- TÍQUETE MÉDIO DO ANO (VALOR MÉDIO DA COTA NO ANO)
  - R$ 42,1 MIL (2018)
  - R$ 41,2 MIL (2017)
  CRESCIMENTO: 2,2%

- CONTEMPLAÇÕES*
  (CONSORCIADOS QUE TIVERAM A OPORTUNIDADE DE COMPRAR BENS)
  - 565,75 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - 549,00   MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 3,1% 
* EM RAZÃO DE PARCERIA ENTRE ABAC E B3, ESTE INDICADOR PODERÁ SER DESDOBRADO POR REGIÕES E POR ALGUNS ESTADOS, BASEADO NAS UTILIZAÇÕES DOS CRÉDITOS NO PERÍODO MENCIONADO. 

- VOLUME DE CRÉDITOS DISPONIBILIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
  - R$ 23,35 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - R$ 22,40 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 4,3% 

MOTOCICLETAS E MOTONETAS
COM ADESÕES ACIMA DE UM MILHÃO E NEGÓCIOS ULTRAPASSANDO R$ 8,5 BILHÕES, SETOR TERMINA 2018 EM ALTA

O setor de motocicletas e motonetas encerrou 2018 anotando crescimento nas adesões e nos negócios sobre o ano anterior, com avanços de 18,9% e 19,8%, respectivamente, altas importantes na recuperação e consolidação setorial.

Simultaneamente, os indicadores de contemplações e créditos concedidos mostraram retrações, enquanto o total de participantes ativos e os tíquetes médios do mês de dezembro e o anual apresentaram estabilidade.
   

Durante 2018, a potencial participação das contemplações nas vendas do mercado interno de motocicletas e motos foi de 51,6%, percentual equivalente a uma moto a cada duas comercializadas por meio da modalidade.

- PARTICIPANTES ATIVOS CONSOLIDADOS (CONSORCIADOS)
  - 2,18 MILHÕES (DEZEMBRO/2018)
  - 2,20 MILHÕES (DEZEMBRO/2017)
  ESTÁVEL 

- VENDAS DE NOVAS COTAS (NOVOS CONSORCIADOS)
  - 1.016,25 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  -    854,60 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 18,9% 

- VOLUME DE CRÉDITOS COMERCIALIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
  - R$ 8,572 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - R$ 7,156 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 19,8%

- TÍQUETE MÉDIO DO MÊS (VALOR MÉDIO DA COTA NO MÊS)
  - R$ 8,5 MIL (DEZEMBRO/2018)
  - R$ 8,5 MIL (DEZEMBRO/2017)
  ESTÁVEL

- TÍQUETE MÉDIO DO ANO (VALOR MÉDIO DA COTA NO ANO)
  - R$ 8,4 MIL (2018)
  - R$ 8,4 MIL (2017)
  ESTÁVEL

- CONTEMPLAÇÕES*
   (CONSORCIADOS QUE TIVERAM A OPORTUNIDADE DE COMPRAR BENS)
  - 494,0 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - 539,5 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  RETRAÇÃO: 8,4%
* EM RAZÃO DE PARCERIA ENTRE ABAC E B3, ESTE INDICADOR PODERÁ SER DESDOBRADO POR REGIÕES E POR ALGUNS ESTADOS, BASEADO NAS UTILIZAÇÕES DOS CRÉDITOS NO PERÍODO MENCIONADO. 

- VOLUME DE CRÉDITOS DISPONIBILIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
  - 4,65 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - 5,77 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  RETRAÇÃO: 19,4%


VEÍCULOS PESADOS 
(CAMINHÕES, ÔNIBUS, SEMIRREBOQUES, TRATORES, IMPLEMENTOS)
VENDAS DE NOVAS COTAS E NEGÓCIOS CRESCERAM PRÓXIMOS AOS 25% EM 2018 

Os veículos pesados registraram 24,5% de crescimento nas adesões e 25,8% nos correspondentes créditos comercializados em 2018. 

O setor, que inclui caminhões, ônibus, tratores, implementos agrícolas e rodoviários, anotou altas também nos demais indicadores: participantes, contemplações e créditos concedidos, todos em relação a 2017.
   

Os tíquetes médios de dezembro e anual mostraram pequenos avanços: 1,2% e 1,1%, respectivamente.

- PARTICIPANTES ATIVOS CONSOLIDADOS (CONSORCIADOS)
  - 309,0 MIL (DEZEMBRO/2018)
  - 282,0 MIL (DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 9,6% 

- VENDAS DE NOVAS COTAS (NOVOS CONSORCIADOS)
  - 71,15 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - 57,15 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 24,5% 

- VOLUME DE CRÉDITOS COMERCIALIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
  - R$ 10,88 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - R$   8,65 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 25,8% 

- TÍQUETE MÉDIO DO MÊS (VALOR MÉDIO DA COTA NO MÊS)
  - R$ 154,6 MIL (DEZEMBRO/2018)
  - R$ 152,7 MIL (DEZEMBRO/2017)
   CRESCIMENTO: 1,2% 

- TÍQUETE MÉDIO DO ANO (VALOR MÉDIO DA COTA NO ANO)
  - R$ 153,0 MIL (2018)
  - R$ 151,4 MIL (2017)
   CRESCIMENTO: 1,1% 

- CONTEMPLAÇÕES
  (CONSORCIADOS QUE TIVERAM A OPORTUNIDADE DE COMPRAR BENS)
  - 33,7 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - 30,5 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 10,5%  

- VOLUME DE CRÉDITOS DISPONIBILIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
  - R$ 5,02 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - R$ 4,31 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 16,5% 

IMÓVEIS
TOTAL DE CONSORCIADOS ATIVOS CRESCEU MAIS DE 6% EM 2018

O total de participantes ativos alcançou 885 mil em 2018, 6,4% acima dos 832 mil de 2017. 

Enquanto o tíquete médio anual manteve-se estável, o de dezembro avançou 1,2% sobre o de um ano antes.

Apesar das reduções verificadas nos indicadores de vendas de novas cotas, créditos comercializados e créditos concedidos, o de contemplações mostrou estabilidade.

Vale ainda lembrar que houve consorciados contemplados que iniciaram a formação de patrimônio, enquanto outros o ampliaram. Houve também quem preferiu adquirir imóveis para locação com o objetivo de auferir rendimentos extras e melhorar sua renda antes ou durante a aposentadoria.
   

Em 2018, os consorciados-trabalhadores, participantes dos grupos de consórcios de imóveis, utilizaram parcial ou totalmente seus saldos nas contas do FGTS, somando pouco mais de R$ 153 milhões.

- PARTICIPANTES ATIVOS CONSOLIDADOS (CONSORCIADOS)
  - 885 MIL (DEZEMBRO/2018)
  - 832 MIL (DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 6,4% 

- VENDAS DE NOVAS COTAS (NOVOS CONSORCIADOS)
  - 271,25 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - 284,65 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  RETRAÇÃO: 4,7% 

- VOLUME DE CRÉDITOS COMERCIALIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
  - R$ 37,26 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - R$ 38,77 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  RETRAÇÃO: 3,9% 

- TÍQUETE MÉDIO DO MÊS (VALOR MÉDIO DA COTA NO MÊS)
  - R$ 139,0 MIL (DEZEMBRO/2018)
  - R$ 137,4 MIL (DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 1,2%

- TÍQUETE MÉDIO DO ANO (VALOR MÉDIO DA COTA NO ANO)
  - R$ 137,4 MIL (2018)
  - R$ 136,2 MIL (2017)
  ESTÁVEL 

- CONTEMPLAÇÕES
  (CONSORCIADOS QUE TIVERAM A OPORTUNIDADE DE COMPRAR BENS)
  - 72,40 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - 72,85 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  ESTÁVEL 

- VOLUME DE CRÉDITOS DISPONIBILIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
  - R$ 7,22 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - R$ 7,30 BILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  RETRAÇÃO: 1,1% 

FGTS NO CONSÓRCIO DE IMÓVEIS
DE JANEIRO A DEZEMBRO DE 2018, CONSORCIADOS-TRABALHADORES UTILIZARAM POUCO MAIS DE R$ 153 MILHÕES DE SUAS CONTAS DO FGTS NO CONSÓRCIO DE IMÓVEIS

O uso parcial ou total dos saldos das contas do FGTS totalizou pouco acima de R$ 153,8 milhões, feito por 3.543 trabalhadores-participantes do consórcio de imóveis.


SERVIÇOS
2018, ALTAS EM TODOS OS INDICADORES, ALGUNS ACIMA DOS 50%

O acumulado de vendas de novas cotas anotou 54,3% de crescimento em 2018 sobre o resultado de 2017. Os correspondentes créditos comercializados avançaram 56,8%. Os tíquetes médios de dezembro e anual apontaram altas de 2,7% e 1,4%.

Enquanto as contemplações no período atingiram 33,6% de alta, os correspondentes créditos concedidos chegaram a mais de 67% de aumento.
   

Com quase uma década de história, o consórcio de serviços vem demonstrando ser importante para aos consumidores, sejam pessoas físicas ou jurídicas, principalmente por sua diversidade nas utilizações quando das contemplações.
 
- PARTICIPANTES ATIVOS CONSOLIDADOS (CONSORCIADOS)
  - 77,5 MIL (DEZEMBRO/2018)
  - 52,0 MIL (DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 49% 

- VENDAS DE NOVAS COTAS (NOVOS CONSORCIADOS)
  - 49,7 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - 32,2 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 54,3% 

- VOLUME DE CRÉDITOS COMERCIALIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
  - R$ 372,37 MILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - R$ 237,44 MILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 56,8% 

- TÍQUETE MÉDIO DO MÊS (VALOR MÉDIO DA COTA NO MÊS)
  - R$ 7,6 MIL (DEZEMBRO/2018)
  - R$ 7,4 MIL (DEZEMBRO/2017)
   CRESCIMENTO: 2,7% 

- TÍQUETE MÉDIO DO ANO (VALOR MÉDIO DA COTA NO ANO)
  - R$ 7,5 MIL (2018)
  - R$ 7,4 MIL (2017)
   CRESCIMENTO: 1,4% 

- CONTEMPLAÇÕES
  (CONSORCIADOS QUE TIVERAM A OPORTUNIDADE DE CONTRATAR SERVIÇOS)
  - 19,58 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - 14,66 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 33,6% 

- VOLUME DE CRÉDITOS DISPONIBILIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
  - R$ 136,70 MILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - R$   81,59 MILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 67,5%

ELETROELETRÔNICOS E OUTROS BENS MÓVEIS DURÁVEIS
RECUPERADO, SETOR FECHA COM ALTAS NAS VENDAS DE COTAS E NOS NEGÓCIOS

O setor de eletroeletrônicos e outros bens móveis duráveis registrou alta de 34,9% nas vendas de novas cotas em 2018 sobre o realizado no ano anterior. Paralelamente, os créditos comercializados alcançaram 38,8% de evolução no mesmo período.

Os indicadores de participantes ativos, contemplações e créditos concedidos também demonstraram avanços na relação 2018 versus 2017. 
   

Os tíquetes médios de dezembro e anual anotaram aumentos de 4% e 2%, respectivamente, no ano passado em comparação ao anterior. 

- PARTICIPANTES ATIVOS CONSOLIDADOS (CONSORCIADOS)
  - 41,5 MIL (DEZEMBRO/2018)
  - 32,0 MIL (DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 29,7%


- VENDAS DE NOVAS COTAS (NOVOS CONSORCIADOS)
  - 29,0 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - 21,5 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 34,9%

- VOLUME DE CRÉDITOS COMERCIALIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
  - R$ 148,36 MILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - R$ 106,87 MILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 38,8%

- TÍQUETE MÉDIO DO MÊS (VALOR MÉDIO DA COTA NO MÊS)
  - R$ 5,2 MIL (DEZEMBRO/2018)
  - R$ 5,0 MIL (DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 4% 

- TÍQUETE MÉDIO DO ANO (VALOR MÉDIO DA COTA NO ANO)
  - R$ 5,1 MIL (2018)
  - R$ 5,0 MIL (2017)
   CRESCIMENTO: 2% 

- CONTEMPLAÇÕES
  (CONSORCIADOS QUE TIVERAM A OPORTUNIDADE DE COMPRAR BENS)
  -  10,69 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  -    7,92 MIL (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 35%

- VOLUME DE CRÉDITOS DISPONIBILIZADOS (ACUMULADO NO PERÍODO)
  - R$ 57,72 MILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2018)
  - R$ 42,38 MILHÕES (JANEIRO-DEZEMBRO/2017)
  CRESCIMENTO: 36,2%

Veja Também:

Consórcios fecham 2018 em alta e sinalizam crescimento para este ano
4/ 5
Oleh